quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Segundo o Mandamento

Esse texto surgiu a partir da leitura de alguns artigos e postagens em redes sociais, que propõem uma permissibilidade da feitura de imagens de Cristo, para vários fim, citando diretamente os símbolos de fé presbiteriano, e quando não negando sua proeminência, afirmando uma interpretação diversa do mesmo. A ideia não é refutar os artigos, mas contraditar o âmago deles e estabelecer o que penso ser a ortodoxia bíblica do caso. 

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Revisões e Inovações

Há um episódio dos X-men para a TV, creio que dos anos 90, em que o Logan ora, se arrepende, confessas seus pecados e agradece a Deus (numa igreja), a paz que Ele o deu, acabando assim com sua raiva, (e se você já assistiu o filme) agora lembre-se do que ele fez no novo filme. Em Star Trek (a série clássica), há um episódio que eles encontram, num determinado planeta, adoradores do Sol, mas no fim se percebe que eles não falavam do sol, o astro que iluminava o dia, mas do Criador do Sol que havia feito tudo e trazia luz aos corações (claras alusão ao texto do VT são feitas nesse e em outros episódios) -- viu alguma menção bíblica nos últimos 3 filme?


Quem acompanha HQ ou outras historias (franquias) no cinema ou em livros, sabe que vez por outra, um recomeço, um nova versão da "narrativa de origem" é contada. Basta lembrar do Homem Aranha, originalmente Peter Parker fora picado por uma aranha radioativa... na versão cinematográfica do anos 2000 era uma aranha geneticamente alterada; Ironman usava energia eletro-atômica para fazer seu traje de metal maleável (transistorizado) funcionar -- bem diferente da armadura e do Reator Arc, atualmente -- vez por outra a 'bateria acabava' no meio da contenda e o herói era obrigado a se livrar de outra forma; A DC Comics viveu um grande problema, "resolvido" pela criação do multiverso e das eras, por causa das muitas versões (incompatíveis) de seus personagens;


Jason Bourne (famosa atuação de Matt Damon) já fora interpretado no anos 1980 por Richard Chamberlai, como um agente secreto mais franzino que tinha a inteligência sutil como sua maior defesa; James Bond, sempre foi um 007 mais sofisticado, menos físico, quase invisível, até a chegada da excelente versão com Daniel Craig; O Hobbit, Senhor do Anéis e até o garoto de Hogwarts tiveram suas narrativas alteradas substancialmente para se encaixar na telona; até a história clássica dos titãs (não a banda, e sim os deuses gregos) teve sua versão cinematográfica de 1981 -- que passa longe da narrativa milenar -- atualizada para um blockbuster de sucesso... assim vai com todas as fábulas modernas ou clássicas.


Sempre me chama atenção esse fato, essas mudanças acabam por nos ensinar que alterações nas narrativas são comuns, normal. Essa CERTEZA moderna de que toda história pode ser mudada ao "gosto de freguês" -- lembrando que a mente esquerdista é profícua em revisionismo histórico para "vender seu peixe", a despeito da verdade -- tem gerado um descrédito tácito às narrativas históricas, 'desconstruindo' verdades há muito estabelecidos e anestesiando-nos para a nova moral.


Aplique isso sobre à Velha História, o Evangelho, a Bíblia (inclusive que é muitas vezes -- pessimamente -- retratada no cinema e na TV) e você perceberá porque, naturalmente, temos enfrentado um desconfiança generalizada do Texto Sagrado, e isso, obviamente, afeta também a credibilidade exposição das histórias bíblicas, muitas delas sendo abertamente 'desmentidas' por pregadores, em busca de ouvidos mais generosos, favoráveis, fugindo assim do compromisso da convicção da Fé.


No fim, admito que temos, no geral, bons entretenimentos, no mais das vezes em suas partes (há momentos realmente ruins e profanos) são coisas boas, e obviamente não proponho um boicote as salas de cinema, ou passeatas contra determinados detalhes mudados e mundanos. Mas lembre-se de Daniel, Hananias, Misael e Azaria; foram alterados aspectos comuns de suas vidas: seus nomes, seus costumes alimentares, com o interesse de que seus conceitos e valores mudassem.


A maioria das artimanhas satânicas são sutis! Se aparecesse um cramunhão, de pé fendido, e com rabo pontiagudo pouca efetividade ele teria em seduzir as nações! Cuidado, pode não parecer, mas estamos em guerra, guerra pela Verdade, e cada passo é sim um movimento de ataque!

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Rápidas considerações sobre personagens fieis a Deus e seu envolvimento com a política nas suas respectivas gerações:

Quase sempre só nos lembramos de Daniel e seus 3 amigos pelo belo resultado do firme propósito de não se contaminaram com as finas iguarias do rei. Nos esquecemos que por décadas, eles não só serviram a Babilônia, como aconselharam os reis daquela terra desoladora, que estavam diretamente envolvidos nas entranhas políticas e sociais dos impérios que se seguiram e que abençoaram pessoalmente a vida daqueles governantes.

É interessante notar que no livro não há nenhuma menção a estratagemas de Daniel para ter sua pátria restaurada e nem alguma boicote ao governo opressor --- que nunca foi tratado como algum poder ilegítimo! Mais adiante, no mesmo cenário histórico, temos tanto Esdras e Neemias usando de sua posição junto ao rei (no mínimo equiparado a algum servidor público de alto escalão) para reedificar Jerusalém, quanto a história de Ester, que no livro é pintada com cores suaves de romantismo, mas que age politicamente, do alto de seu "posto", em benefício do povo de Deus, e mais, é digno de nota que Mordecai usou a lei dos medo-persas (leis pagãs), e de sua função legislativa (dada por um déspota, sanguinário e vil), propondo um edito para salvar os judeus, Volte no tempo e você verá a mesmo coisa com José no Egito. Paulo não apelou a Cesar e ao direito romano em mais de uma ocasião?

Não há uma só linha na Bíblia que sugira o abandono da sociedade em que vivemos, nas mãos dos ímpios. Parece certo insistir que Jesus nunca arvorou a reconstrução isolacionista de um reino teocrático terreno (ele foi enfático no exato oposto), e nem exigiu que seus discípulos se tornassem os regentes políticos do mundo, seja por articulação ou tomada de poder, mas é absolutamente claro, há ordem para que eles lutem, até sob o risco de perde a vida, pela preservação daquilo que ainda aponta para Deus no mundo, e do mesmo modo expor os erros dos governantes, ao que, penso, Paulo interpreta em duas faces: orar pelos governantes para que tenha vida pacífica (note, não para que se convertam e nem para que caiam e sejam substituído por cristãos), inclusive sendo na prática um bom cidadão, dando louvor a quem merece, e aproveitando as oportunidades de melhorar, acender socialmente e fazer o bem pessoalmente, que certamente são bençãos de Deus.

sábado, 15 de setembro de 2018

PENSE:

Resultado de imagem para voto em transito

Em 7 de outubro, cristão, o seu não-voto, seu voto nulo ou em branco, significará, no mínimo:

"Aceito passivamente que uma nação que já foi oficialmente cristã, e que embora atualmente laica, se torne cada vez mais hostil ao cristianismo" - quebra do 1º mandamento.

"Concordo com a sistemática implementação da retirada, obliteração, re-significação, ou mutilação de tudo que aponta para Deus em nossa sociedade e governo" - quebra do 2º mandamento.

"Permito que a história seja revisada para que tudo de bom seja chamado de mau e tudo de mau seja chamado de bom, em especial aquilo que diretamente e nominado a Deus" - quebra do 3º mandamento.

"Promoverei a continua desobediência a vontade prescrita de Deus, retirando do cenário público todo o freio moral dado por Ele aos nossos pais, quer seja nas mudanças dos códigos civis, penais e processuais, quer seja nas ações dos magistrados que são indicados pelo poder eletivo, que por inação deixarei continuar" - quebra do 4º mandamento.

"Não farei nada contra a casta de bandidos com foro privilegiado, alcunhados de políticos, que se escondem nas casas legislativas ou nos palácios executivos" - quebra do 5º mandamento.

"Não estou nem aí para a autorização do assassinato de milhares de crianças nos úteros de suas mães" - quebra do 6º mandamento.

"Não me importo que seja ensinado para nossos filhos, por força de lei, a fluidez¹ sexual" - quebra do 7º mandamento.

"Não me preocupa a corrupção endêmica, sistêmica e organizada instalada no nosso país" - quebra do 8º mandamento.

"Não vejo problemas a instalação e aprofundamento do movimento marxista cultural em nossa sociedade" - quebra do 9º mandamento.

"Não objeção a politica econômica diabólica do socialismo ou igualitarismo que tanto prejudica os mais pobre e oficializa o roubo aos mais ricos" - quebra do 10º mandamento.

"Sou indiferente a oportunidade dada por Deus a nossa sociedade de ditar certas direções para a Nação, e vou preferir me calar quando a justiça e a verdade clamam por uma manifestação" --- FALTA DE FÉ!

DEUS NÃO TOMARÁ POR INOCENTE OS QUE ASSIM PROCEDEREM!

Não seja impassivo e nem se isente de se manifesta da forma que o magistrado civil, outorgado por Deus, deliberou que você fizesse. Se de todo te calares agora, de outra parte se levantará para o povo de Deus socorro e livramento, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para conjuntura como esta é que foste elevado a cidadão?
-------------------
¹ por fluidez sexual entenda a nova ideia de uma criança não nasce homem ou mulher, que a biologia não é determinante, e que nesse assunto pode tudo, hétero, homo, bi, a, LGBTXYZ, é a completa destruição de princípios criacionais dado ao ser humano em sua semelhança com Deus, uma afronto pavorosa a Ele.

sexta-feira, 16 de março de 2018

TODA MORTE NOS DIMINUI!

Não importa se é a do físico famoso, da esquerdista transloucada, do seu Zé da esquina ou do bebê que ainda não nasceu. O valor da vida humana é tão mais alto, tão maior, que a mera exposição ao risco desnecessário já deve ser retalhada, fortemente!

Isso é uma das coisas que os esquerdistas, os modernos humanistas, os progressistas e toda turma simpatizante de bandido que se arrola como defensor dos direitos humanos não entende (ou não quer entender): A repressão ao crime precisa ser formal e diretiva, eficiente e constante, poderosa e marcante, por causa do valor da vida.

Todo crime, não importa seu tamanho, o nível de ofensa, e o transtorno causado, é sempre, em última instância, contra a vida --- falando obviamente da esfera natural-material, não abordo a ofensa a Deus e nem a moralidade social da coisas. A única lógica do roubo é que se trata de um crime e como tal deve ser punido.

Já o mero trauma psicológico de por furto ou roubo ter sido privado de algo particular (mesmo que sem importância ou valor econômico), ou de ter sido invadida a sua privacidade --- quem já teve sua casa arrombado, sabe bem o que é isso --- é mais que suficiente para a rechaçarmos tais atentados com todo o peso da lei.

Ademais quando um criminoso de delitos pequenos percebe que suas atividades não trazem consequências imediatas, ele se sente seguro a avançar e há então um salto na violência perpetrada. O assassinato, na maioria dos casos, é só um meio para se concretizar o roubo. Quase sempre a morte é para facilitar o roubo, ou porque a vítima reagiu, as vezes apenas tentando fugir, ou mesmo no susto!

Mas essa indignação seletiva, esse clamor só pelos do grupelho é diabólica. Se invadem um terreno de um empresário, fazem até show lá para comemorar a expropriação (nome chique para roubo) em nome do "valor social da terra", mas quando é o equipamento de som que é 'socializado' aí ficam com raiva; quando é a vereadora morta, rapidamente gritam que é porque é negra (nem é, era uma morena bem clarinha), mulher e militante, mas quando se chorou pelas militares negras mesmo, mortas, com requintes de crueldade?

Enfim, toda morte nos diminuí, cada assassinato praticado é um tapa na cara de toda a sociedade, uma atentado contra todos; uma vida que se perdeu é um crime praticado em afronta cada um de nós, e nem importa se a vítima por fim até defendia outros crimes ou criminosos, pensar, mesmo que as idiotices que ele pensava, não é crime --- ainda! --- e embora, apologia ao crime, que ela praticava como esquerdista, precisava ser punida, e na instância determinada que isso deve ser feito e não na aleatoriedade do roubo.

Não me alegro com a morte da PSOLista, aquilo não foi justiça, foi assassinato. E embora haja certa ironia em tudo isso, jamais vou comemorar mesmo que indiretamente o crime, e nem valorar a ação cruel e funesta. Lamento a morte dela, assim como do motorista junto dela, e das outras milhares de vidas perdidas por causa de políticas publicas implementadas e defendidas por ela.

quinta-feira, 15 de março de 2018

TOPA TUDO POR DINHEIRO

Não se engane, uma das principais razões do Esquerdismo apoiar o aborto e a liberação das (chamadas) drogas recreativas é grana! Não tem a ver com direito das mulheres ou liberdade individual... Não precisa ser muito inteligente, basta apenas para para pensar um pouco.

Essas duas questões, são na verdade dois serviços que o Estado Todo-poderoso aqui simplesmente não tem captado nenhum centavo; na verdade aborto e drogas "recreativas" até gastam boa quantidade de recursos estatais --- mesmo que o serviço ou o combate seja de péssima qualidade. Tudo que ser quer e aumentar a base de "contribuição".

O aborto legal movimenta bilhões de dólares no mundo afora, e as mulheres seduzidas por essa prática criminosa, estão realmente dispostas apagar o preço que for para obter tal "produto" --- se pra isso, uma fatia dos atendimentos devam ser de "cunho social", talvez por dispensa de impostos, melhor ainda.

"Drogas recreativas" é outra fábrica de dinheiro. Além de ter, literalmente, clientes cativos, há sempre a possibilidade de novos produtos, os lucros são altíssimo e os efeitos colaterais são inerentes ao consumo. Praticamente toda a pesquisa e desenvolvimento já foi feita séculos atrás e já existe toda uma infraestrutura pronta e em pleno funcionamento, basta agora decidir, é o ISS ou será o ICMS? Quanto de Confins? regulamentar a profissão, aprovar um plano de cargos e salários, autorizar o sindicato e fiscalizar o cumprimento das leis trabalhistas, mas não antes da descriminalização do comércio ilegal, claro, tudo precisa ser moral (i.e. legal).

Não ignoro que o problema com esses dois temas seja mesmo mais complexo. Também não sei dar uma solução definitiva. Muito menos estou defendendo que por causa das intenções funestas dos maior incentivadores a coisa AUTOMATICAMENTE se torne errada --- embora seja um bom indicativo de algo realmente errado, afinal, o Diabo não faz favor e nem dorme no trabalho.

O ponto além que posso comentar é: tanto um quanto o outro, intrinsecamente envolve a legalização (sempre será mais que descriminalizar uma prática, mas literalmente aprovar outra) da destruição do ser humano --- tema que deveria ser estendido para muitos outros contextos. Não há consumo seguro de drogas "recreativas" assim como não há aborto sem risco, afinal alguém sempre termina morto nesse procedimento; com sorte a mãe escapa.

Normalmente JAMAIS posso aprovar a descriminalização --- que já realidade, infelizmente --- desses duas situações (dentre outras muitas, que não vêem ao caso), em especial porque a vida humana, seja ela qual for, tem um valor incomparável, não há direito --- nem mesmo os próprios; nem a liberdade pode ser trazida a baila --- que supere isso.

No fim é uma escolha moral, que me parece inexorável para um cristão: os recursos do Estado (um mal necessário? Que seja, ele já está aí) devem promover a segurança e a justiça, e isso não ocorrerá sem uma plena consciência do valor da vida humana, na prática, das maiores as menores coisas.

NÃO AS DROGAS, NÃO AO ABORTO!

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

PROIBIDO VIRAR A ESQUERDA!


Imagem relacionada

Tenho a Socialdemocracia em alta conta, mas sei de suas limitações, e por isso me vejo obrigado a defender um sistema economicamente liberal como a única alternativa que se aproxima do ideal bíblico. A Socialdemocracia tem por premissa fazer o bem ao povo e para isso ela depende dos recursos do povo. A rigor, a tese é: juntar os recursos extras e distribuir àqueles que nada possuem, acabando com a miséria, fácil, fácil. E até aí eu concordo plenamente! O problema é que nem todo que tem algum extra, vai querer cooperar, daí, passa-se a impor a contribuição (impostos sociais)... isso é perigoso!

Creio que a igreja em Atos 2 demonstra perfeitamente como isso deve ser feito. A medida que havia necessidade, eles vendiam o tinham para dividir igualmente entre os que precisavam (v.45). O Texto e o contexto deixam transparecer que não era impositivo. Havia a alegria e singeleza de coração (v.46), e isso era motivado por uma mudança interior pela pregação da Palavra (v.42). O apóstolo Pedro, no episódio de Ananias e Safira, afirma categoricamente que não havia qualquer obrigação de fazer isso (At 5:4).

É certo afirmar biblicamente que não há autoridade humana que possa expropriar algum bem do outro, a não ser por penalidade prevista em lei, e nesse caso lei justa – um rei não pode simplesmente decretar a tomada a força das terras de alguém (1 Rs 21). Os impostos devem ser comedidos – no caso é justo o Governo cobrar para se manter, sabendo que sua única razão de ser é a luta ativa pela justiça (poder de espada, Rm 13 – podemos até discutir até onde isso vai, mas é só isso que é sua função), e a contribuição social deve, sobre tudo no Novo-testamento, ser voluntária.